Comentaristas

Assistente editor: Hugo de Aguiar

deaguiar.hugo@gmail.com

ode para a mulher madura

oh... almas encarriladas.. que gritais nos arcaboiços surdos
néscios remos.. lenhos.. que deslizam em oceanos mudos
o soterramento prematuro.. das malditas asas.. sem esferas
que vos mantém suspensas.. sem guia.. entre duas atmosferas
belzebu já não negocia.. morreu no paço.. o fogo é sorrateiro
a cada uma.. de criar um novo inferno.. impetuoso e arteiro
*
oh... corpos famintos.. que minguais nos rastos dos avos
desanexadas.. nas masmorras tabuleiros.. sem conchavos
tantos gemidos maduros.. semeiam os espaços viúvos
de amamento.. os peitos ficaram infecundos de uivos
tanto arfar leva o vento.. as vindimas assobiam castas novas
que esbarram nos ventres.. despenhadeiros sem as covas
*
nos cestos castos.. só pedras... que o lagar não pode pisar
os cachos desmaiados.. penitentes.. com médão do avinhar
as cantigas.. que pendem dos vossos peitilhos pirrónicos
são partições sem sinónimos.. currais de espectáculos cónicos
sem revolta.. afónicas.. retraio.. aflição.. audição fantasiosa
pernoitada na divisória próspera.. mais leviana e gulosa
*
e os olhos que viajam.. viajam.. para o almejado contento
as pernas recuam.. recuam.. recuam.. fugindo do sustento
as vossas filhas.. sugaram os vossos requisitos tentadores
as roupas são agora.. florilégios.. albufeiras de amores
comeram as vossas mestrias... beberam a seiva gorda
esperneiam nos vossos espelhos.. cozinhada açorda
*
com esgares esparramados nos montículos soerguidos
e telegramas amontoados na órbita dos alaridos
as princesas enterram as rainhas.. no baixel do bacanal
apenas uma coroa esbanjada.. nem uma noticia no jornal
ouro velho.. debaixo da cama.. ímpeto combalido
o secular governa.. o reino aboloreceu no tímpano ferido
*
revoltem a natureza.. os trapos envelhecem no coradouro
sem marcas de amor.. ruço esparzir açaimado.. no bambo couro
as esquinas do templo.. são ilustrações fantasmagóricas
que anestesiam os impulsos.. e historiam efígies alegóricas
amarradas por cangas.. tecidas no arcaísmo dos profetas
oh... barrigas vazias de calcos.. de afagos maldosos e estetas
*
já não desbarrigam paraísos.. mas juízos incultos e pardos
fugindo da luxúria.. abeiram-se com os beiços enfatuados
molduras ejaculadas.. nas bermas vergonhosas.. que o mato esconde
um olho inquiridor.. circunda o monte.. mas ninguém responde
esposas do travesseiro.. folhoso alabastro.. que colhe dos olhos a tinta
escrevem sibilinamente nos lençóis.. jogos bombásticos de finta
*
noivas do divino.. na fileira de espera.. a morte é o coito final
que gosto desleal.. que engano mavioso.. no abastardo celestial
pulsam ainda réstias de mulher.. que coletes muros amansam
até ao desabe.. nas ruínas laureadas.. os sorrisos mornos descansam
os braços que nada apertam.. sim... miragens... e ventos tediosos
que afastam a chuva de ecos flóreos.. e cabelos raivosos
*
o medo da bebedeira.. a falta de rega faz secar a raiz da parreira
e as folhas caem uma a uma.. na despovoada e inválida esteira
já não há leitura.. na mesa dos comensais.. a ceia está fria
ainda subsiste uma migalha quente.. convite de teimosa cria
mas.. estilhaça-se o copo.. no corpo forjado de curvas alheadas
e o vinho é servido.. gota a gota.. em folhas desacreditadas.

ferool

PS: Em fase de nova formatação...

28 comentários:

LUZIMAR disse...

Maravilhoso, lindo demais.

Passando para desejar um lindo Fim de Semana


beijos

RAMA.LYON disse...

Passei por aqui para deixar um beijinho...
E ao mesmo tempo apreciar o seu magnífico blog.

RAMA LYON

fernando oliveira disse...

Carissimas,Luzimar e Rama, agradeço os vossos comentários.

saudações literárias.

fernando

fernando oliveira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
LUZIMAR disse...

Passando para deixar meu carinho.

Tenha um bom dia.


beijos

TERE disse...

Quem assim escreve tem conhecimento enorme...Bjs

fernando oliveira disse...

Caríssima, quem assim escreve, quer indicar que até à morte a mulher deve ser mulher, espero que tome consciência disso, quer no ocidente, quer noutras latitudes.

abraço.

fernando

Poemas de amor e dor disse...

Boa tarde amigo Fernando Oliveira,

Finalmente consegui seguir descortinar seus passos. Devo-lhe tanto, meu DEUS!
Foi há mais de 5 anos que o amigo Fernando Oliveira aceitou a minha poesia e a colocou num site tão lindo, tão cheio de nobreza: fazer da poesia um instrumento de paz e unir os poetas de todo o Mundo.
Foi há 5 anos quando começava a descobrir esta minha doença incurável – Parkinson – quando iniciava o novo caminho do fatalismo e tentava procurar razões para o meu sofrer que o amigo me deu as mãos editando a minha poesia.
Tinham passado muitos anos de escrita rasgada, queimada, NADA! Tudo fora triturado! Tudo estava perdido e o amigo ensinou-me o caminho para, unindo-me aos poetas, na catarse lutar pela vida.
Criar um blog que chegou a ter 4000 visitas diárias e ainda hoje excede as 1000 visitas diárias – tudo graças a si. Depois surgiu a poetiza Efigénia Coutinho e o Poeta Daniel Cristal e mais um grupo de amigos poetas de Almada. Estou vivo e deixei de rasgar poesia.
Não me irei pronunciar sobre este excelente trabalho. Perdoe-me! Não podia deixar de lhe escrever e dizer publicamente: O FERNANDO OLIVEIRA é um ser Humano muito grande à altura das mais belas estrelas.
UM forte abraço
Rogério Martins Simões

fernando oliveira disse...

Meu caro poeta e bom amigo Rogério,
A tua resenha –comentário- comoveu-me sobremaneira. Sou um grande leitor de poesia e; como tal, nunca deixei de ler os teus escritos que recebia até recentemente, ou que encontrava aqui e além ao sabor das minhas navegações curiosas ou directivas. Rogério, sou eu que tenho que te agradecer de teres aceite colaborar no então jornal de poesia citado. Sempre fui um poeta virado para a obra dos outros, inclusive até à edição que não aconteceu só na tela virtual, mas extravasou para o papel – vide, as obras criadas para as Bienais do Rio e de S. Paulo, além daquelas editadas em Lisboa. Como todo bom nómade que se respeita, banqueteio os meus sacos de roupa, entre alguns pousos da Europa e América do sul e até África; daí o ser difícil de achar. Soube dos teus desprazeres físicos e espero que os tenhas pelo menos dominado, pois, como dizes essa doença é incurável, penso que só a morte é incurável. Dizes que graças a mim e a outros confrades e confreiras, Daniel – Armando – e Efigénia, superaste a náusea da escrita, melhor, superaste a desconfiança que o inicio da tua doença facturava contra a tua própria vontade, se a minha insignificante pessoa, - ou o meu gesto de te convidar a escrever a meu lado e ao lado dos nossos amigos – foi um acto que te deu força, não só para venceres o mal físico mas também para ofereceres ao mundo lusófono os teus interessantes escritos... muito me apraz de ter sido uma pequena faísca nesses processo de redenção. Entretanto caro amigo, todo o trabalho foi feito por ti, só tu poderias vencer o anjo mau de duas faces, que estava inserido no ninho da tua intelectualidade.

Rogério, agradeço mais uma vez a tua mensagem testemunho, mas crê que nada fiz, senão o que devia fazer, o meu destino já bem avançado, assentou-se na órbita da literatura – poética – pois não quero nem tenho talento para explorar outros ramos da mesma. Fica bem meu amigo e se precisares de algo que esteja no meu alcance, estarei sempre aqui até rebentar. Algures escrevi, que o, “ Destino é uma bola de sabão “ se ela rebenta com facilidade, também nos oferece lindos parâmetros que o seu voo alcançam.

Um forte abraço amigo e até sempre.

Fernando Oliveira

Maria Flor! disse...

Olá Fernando,
Vim te visitar e adorei demais tudo por aqui.
Parabéns.

Beijos da Flor!

www.rabiscosalapis.blogspot.com

fernando oliveira disse...

Obrigado Maria, epla leitura e comentário

beijos

fernando

Tentativas Poemáticas disse...

Amigo Fernando
Sem dúvida que me sinto em falta para consigo. Muito obrigado pela visita que fez ao meu humilde blogue, o que considerei um privilégio. Passarei com mais assiduidade.
Hoje somente para lhe desejar:
PÁSCOA FELIZ
Um grande abraço.
António

Zira disse...

Olá Fernando !

Passei por aqui

Lindo !!



Abraço


Zira

fernando oliveira disse...

António, ninguém deve nada a ninguém e menos tu que j´s me visitaste várias vezes, nem sempre temos tempo de ver todos os magnificos blogs que editamos ou lemos, espero brevemente ver o Tentativas Poemáticas III-IV etc.

abraços

fernando

fernando oliveira disse...

Olá Zira, obrigado mais uma vez.

abraços

fernando

ESPEJO DE MI ALMA disse...

GRACIAS..por tu visita y por seguir mi blog me enlaso a ti besos desde mi tierra de la eterna primavera mi maravillosa Guatemala
Nancy Fabiola

Osvaldo disse...

Caro Fernando Oliveira;

Caramba, isto é muita cultura junta... e bem saber escrever.

É sempre um enorme prazer visitar este blog que nos transmite um "savoir faire" impressionante.

Aproveito para lhe desejar Feliz Páscoa com um sentimento de que voltarei bastas vezes porque aqui respira-se cultura.

Um abraço
Osvaldo

fernando oliveira disse...

Olá Nancy, grato estou eu, pois isso me permite de ler belas coisas também na lingua de Cervantes. Não duvido da beleza da tua Guatemala.

felicidades

fernando

fernando oliveira disse...

Obrigado Osvaldo, é muita generosidade dizeres o que dizes sobre a minha escrita, que é diversa, quanto à qualidade espero que outros também a encontrem boa, tentarei não decepcionar os meus leitores que como tu me fazem o obséquio de me ler.

abração e boa Páscoa também para ti.

Fernando

Ângelo disse...

Caro Fernando. Fico realmente feliz pela sua participação no meu blog. Acabei por visitar agora o seu espaço e com o que me deparei: Um espaço dedicado à verdadeira literatura.

Versos bonitos, cheios de sensações bem descritas em bem escolhidas palavras.
Me dedico às vezes à poesia também. É verdade que não o faço com a mesma leveza e maestria que o fazes, mas sigo tentando.

Grande abraço e siga com o bom trabalho

fernando oliveira disse...

Caríssmo, obrigado pela visita e leitura, Ângelo como livre pensador deves estar aberto a todas as formulas de escrita, e pelo que vejo no teu blog, é o caso. agradeço os teus elogios, mas meu caro a poesia é para brincar, é um parente pobre da literatura, espero que continues a trabalhar este sujeito, pois ele abre novas prespecticas para a composição da literatura filófica, social e até antropológica.

abraços

fernando

cristinasiqueira disse...

Oi Fernando,

Senti o peso dessas mulheres maduras ,"a ceia fria","ventos tediosos" o corpo ainda morno para embates calientes.
E um dia escrevi assim:

Madureza idade de mais certeza
Esparsas dúvidas
Grandes arrepios
O gosto por iguarias
O desprezo pela mesquinhês

E por aí seguia a poesia com a mulher desfrutando da inteireza de sua condição madura,menos dramática e mais muito mais feliz.

Gostei da oportunidade reflexiva do poema.Me instiga a leitura da tua poesia,a cultura afortunada
que generosamente voce esparrama
pelo papel,tela...Vida.

Feliz Páscoa,

Cris

fernando oliveira disse...

Cris, obrigado pela leitura e comentário. Infelizmente esta situação é bem premente sobretudo nas áreas de população com carências monetárias, mas também acontece por causa de certos fanatismos, por inadequada educação académica e outras trinta razões. No fundo este texto é uma homenagem – alerta para as mulheres que estão neste plano que pode começar bem cedo, como dizes no teu escrito, as mulheres maduras tem muito para dar, que seja no âmbito amoroso-sensual, ou na óptica da sociedade política.

Boa Páscoa para ti também.

Selena Sartorelo disse...

Olá Fernando...

A escrita te presenteia em cultura e sabedoria. Essa segunda citada amarga uma verdade contida ou a repugnância causada pelo olhar.
Uma desilusão que assombra e apavora pois sua passagem é certa e quase inevitável.
Envelhecer uma outra sabedoria.

fernando oliveira disse...

Selena, obrigado pela leitura e comentário. O poema é uma homenagem e um alerta para as mulheres maduras continuarem bem inseridas em todos os aspectos da vida em geral e no amor em particular. A velhice não deve ser desculpa.

abraços

Fernando

Selena Sartorelo disse...

Olá Fernando,

Percebo que meu comentário chegou...então desconsidere por favor o que salientei na resposta que te dei lá no Possibilidades.

Sim. Hoje percebo alguns aspectos dessa condição e quem sabe se prestar bem atenção consiga penetrar nesse universo com essa tão esperada maturidade.

Beijos e obrigada.

Denise Alves disse...

Olá Fernando ! Fiquei muito feliz de vê-lo em meu blog . Sua ilustre presença só vem enriquecer . Fernando estou entrando no mundo das palavras agora .Estou maravilhada ! Principalmente em encontrar pessoas como você . Tão talentosa ! Suas palavras a respeito das mulheres maduras são verdadeiras e inteligentes . Só um homem com tamanha sensibilidade teria essa visão . Agradeço em nome de tantas . Um grande abraço da agora amiga Denise .

fernando oliveira disse...

Verdade Denise, obrigado, no fundo o poema é uma homenagem-alerta às mulheres um pouco menos novas na idade, como digo no meu poema elas precisam de mais afirmação, primeiro para com elas, depois para com os outros.

O prazer é todo meu

Abraços